Conheça Davi, um menino com autismo que poderá ter o plano de saúde cancelado pela operadora



Imagem Jonata, Davi e MIchelle – Foto: Cedida
4.5 2 Avaliações
Article Rating
Subscribe
Notify of
6 Comentários
Anterior
Próximo Mais Votados
Inline Feedbacks
Ver Todos

Lamentável. As famílias atípicas não tem Um dia de paz. Seus direitos são violados ao ponto de acontecer o que está acontecendo com Davi e inúmeras famílias. #ProvidênciasJá!

Que absurdo, essas famílias são reféns desses planos de saúde. Isso precisa acabar!

O relato Jonatas é sua família e o mesmo que estou passando . Tenho meu filho pedro Lucas 9 anos fui pegar de surpresa pela Unimed Natal com esse cancelamento . Prejudicando que meu filho evoluam e causando danos da minha vida ansiosa e sem dormir pensando como vai fica a situação do meus filhos e os demais autista . E um dor que só Deus

Olá, bom dia. Lamentamos o que tantas famílias têm passado com toda esta situação… Temos recebido diversos relatos e denúncias. Gostaria de publicar sua história? Nossa redação fica à disposição.

Vamos luta pelos nossos filhos 🙇‍♀️ deus é i nosso refúgio sempre

Excelente matéria


Recentemente, tem se tornado cada vez mais comum os relatos de beneficiários de planos de saúde recebendo a notícia de que seus contratos estão sendo cancelados. A maioria dos prejudicados são pessoas idosas, pacientes autistas ou com doenças graves, muitas delas estando em meio ao tratamento.

Uma reportagem publicada no jornal Valor Econômico, informou que nos últimos cinco anos mais de 69 mil reclamações foram feitas em relação ao cancelamento unilateral dos planos de saúde, já nos três primeiros meses de 2024, o número chega a 4,8 mil queixas.

No Rio Grande do Norte, um dos atingidos é Davi, um garotinho de 8 anos, autista suporte 3 não-verbal. Em meio a todos os problemas que já enfrenta com o plano de saúde, agora corre o risco de ficar sem, tornando a situação do garoto ainda pior.

A história de Davi começa em 2017, quando seus pais, Jonata Nascimento e Michele Fernandes, perceberam comportamentos atípicos no filho. “Minha esposa Michele começou a observar os diferentes comportamentos que Davi apresentava, andar nas pontas dos pés, chorar sem motivos, sorrir sem motivos, autoagressões, atraso na fala, dentre outros”, relata Jonata.

Preocupados, eles procuraram ajuda profissional, e após uma série de avaliações com neuropediatras e outros especialistas, veio o diagnóstico: Davi era autista.

Depois do diagnóstico

A aceitação não foi fácil. Após o diagnóstico Jonata viveu um período de luto por alguns meses, mas sempre buscando o melhor para seu filho ao lado de sua esposa. Durante a fase de investigação, o plano de saúde foi solícito, mas a situação mudou drasticamente após a confirmação do diagnóstico de autismo.

“Depois do diagnóstico começaram os problemas de negativas para terapias solicitadas pelo médico, acionamos a justiça e conseguimos as terapias. Mas o plano continuou dificultando a nossa vida, cancelando as terapias que estavam no laudo, mesmo após liminar e sentenças favoráveis.”, comenta Jonata.

O Plano de saúde Unimed Natal, em diversas ocasiões, interrompeu as terapias de Davi.

“Mesmo judicializado ele teve as terapias interrompidas, o plano sempre inventava alguma coisa, meu filho ficava sem terapia e eu tinha que ir lá, porque eles não liberavam (o valor) pra clínica. Esses cortes nas terapias por diversos motivos têm prejudicado o desenvolvimento do Davi.”, afirma Jonata.

Avisos de cancelamento

O que já era ruim, corre o risco de ficar ainda pior. Em abril deste ano, diversos pais de crianças autistas receberam um comunicado da Unimed sobre as chances de cancelamento dos planos, e Jonata foi um deles.

O comunicado informou que no dia 23 de junho, todos os contratos realizados pela QUALICORP serão cancelados. Ao ligar para a ouvidoria da Unimed, o suporte esclarece que os clientes podem entrar em parceria com outra empresa para manter o plano com a Unimed, mas as regras não serão as mesmas.

Os planos não serão mais individuais e a coparticipação passa a ser de 30% a 50%. Aqueles que não realizarem a mudança até o prazo de cancelamento, ficarão sem plano de saúde.

“A gente ainda não sabe o motivo real disso, mas a gente supõe que seja pelos gastos que vem tendo com nossos filhos.”, pontua Jonata.

Assim como Jonata e Michele, várias famílias estão desesperadas, sem saber o que fazer e tentando recorrer à justiça. Em São Paulo, um juiz deu a sentença favorável para que famílias continuassem pagando o mesmo valor sem coparticipação e sem serem prejudicados. Alguns advogados já estão dando entrada no processo, mas o número de famílias que ainda não sabem como irão recorrer ainda é grande.

Para Davi, sua família e tantas outras a luta contínua, sem previsão exata de quando a situação poderá melhorar, mas a esperança e o amor move todos eles, em busca da garantia de uma vida digna e plena para todas as pessoas com o Transtorno do Espectro Autista.




O Potengi

Portal de notícias e conteúdos do Rio Grande do Norte


Conheça Davi, um menino com autismo que poderá ter o plano de saúde cancelado pela operadora



Imagem Jonata, Davi e MIchelle – Foto: Cedida


Recentemente, tem se tornado cada vez mais comum os relatos de beneficiários de planos de saúde recebendo a notícia de que seus contratos estão sendo cancelados. A maioria dos prejudicados são pessoas idosas, pacientes autistas ou com doenças graves, muitas delas estando em meio ao tratamento.

Uma reportagem publicada no jornal Valor Econômico, informou que nos últimos cinco anos mais de 69 mil reclamações foram feitas em relação ao cancelamento unilateral dos planos de saúde, já nos três primeiros meses de 2024, o número chega a 4,8 mil queixas.

No Rio Grande do Norte, um dos atingidos é Davi, um garotinho de 8 anos, autista suporte 3 não-verbal. Em meio a todos os problemas que já enfrenta com o plano de saúde, agora corre o risco de ficar sem, tornando a situação do garoto ainda pior.

A história de Davi começa em 2017, quando seus pais, Jonata Nascimento e Michele Fernandes, perceberam comportamentos atípicos no filho. “Minha esposa Michele começou a observar os diferentes comportamentos que Davi apresentava, andar nas pontas dos pés, chorar sem motivos, sorrir sem motivos, autoagressões, atraso na fala, dentre outros”, relata Jonata.

Preocupados, eles procuraram ajuda profissional, e após uma série de avaliações com neuropediatras e outros especialistas, veio o diagnóstico: Davi era autista.

Depois do diagnóstico

A aceitação não foi fácil. Após o diagnóstico Jonata viveu um período de luto por alguns meses, mas sempre buscando o melhor para seu filho ao lado de sua esposa. Durante a fase de investigação, o plano de saúde foi solícito, mas a situação mudou drasticamente após a confirmação do diagnóstico de autismo.

“Depois do diagnóstico começaram os problemas de negativas para terapias solicitadas pelo médico, acionamos a justiça e conseguimos as terapias. Mas o plano continuou dificultando a nossa vida, cancelando as terapias que estavam no laudo, mesmo após liminar e sentenças favoráveis.”, comenta Jonata.

O Plano de saúde Unimed Natal, em diversas ocasiões, interrompeu as terapias de Davi.

“Mesmo judicializado ele teve as terapias interrompidas, o plano sempre inventava alguma coisa, meu filho ficava sem terapia e eu tinha que ir lá, porque eles não liberavam (o valor) pra clínica. Esses cortes nas terapias por diversos motivos têm prejudicado o desenvolvimento do Davi.”, afirma Jonata.

Avisos de cancelamento

O que já era ruim, corre o risco de ficar ainda pior. Em abril deste ano, diversos pais de crianças autistas receberam um comunicado da Unimed sobre as chances de cancelamento dos planos, e Jonata foi um deles.

O comunicado informou que no dia 23 de junho, todos os contratos realizados pela QUALICORP serão cancelados. Ao ligar para a ouvidoria da Unimed, o suporte esclarece que os clientes podem entrar em parceria com outra empresa para manter o plano com a Unimed, mas as regras não serão as mesmas.

Os planos não serão mais individuais e a coparticipação passa a ser de 30% a 50%. Aqueles que não realizarem a mudança até o prazo de cancelamento, ficarão sem plano de saúde.

“A gente ainda não sabe o motivo real disso, mas a gente supõe que seja pelos gastos que vem tendo com nossos filhos.”, pontua Jonata.

Assim como Jonata e Michele, várias famílias estão desesperadas, sem saber o que fazer e tentando recorrer à justiça. Em São Paulo, um juiz deu a sentença favorável para que famílias continuassem pagando o mesmo valor sem coparticipação e sem serem prejudicados. Alguns advogados já estão dando entrada no processo, mas o número de famílias que ainda não sabem como irão recorrer ainda é grande.

Para Davi, sua família e tantas outras a luta contínua, sem previsão exata de quando a situação poderá melhorar, mas a esperança e o amor move todos eles, em busca da garantia de uma vida digna e plena para todas as pessoas com o Transtorno do Espectro Autista.


4.5 2 Avaliações
Article Rating
Subscribe
Notify of
6 Comentários
Anterior
Próximo Mais Votados
Inline Feedbacks
Ver Todos

Lamentável. As famílias atípicas não tem Um dia de paz. Seus direitos são violados ao ponto de acontecer o que está acontecendo com Davi e inúmeras famílias. #ProvidênciasJá!

Que absurdo, essas famílias são reféns desses planos de saúde. Isso precisa acabar!

O relato Jonatas é sua família e o mesmo que estou passando . Tenho meu filho pedro Lucas 9 anos fui pegar de surpresa pela Unimed Natal com esse cancelamento . Prejudicando que meu filho evoluam e causando danos da minha vida ansiosa e sem dormir pensando como vai fica a situação do meus filhos e os demais autista . E um dor que só Deus

Olá, bom dia. Lamentamos o que tantas famílias têm passado com toda esta situação… Temos recebido diversos relatos e denúncias. Gostaria de publicar sua história? Nossa redação fica à disposição.

Vamos luta pelos nossos filhos 🙇‍♀️ deus é i nosso refúgio sempre

Excelente matéria