Greve dos servidores da UFRN continua após rejeição de proposta do MEC



0 0 Avaliações
Article Rating
Subscribe
Notify of
0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver Todos

Imagem Grevistas Foto: Danielle Castro / Sintest-RN

A proposta do MEC prevê a manutenção da política de não conceder aumento em 2024, com reajustes salariais de 9% previstos para janeiro de 2025 e 5% para abril de 2026. Além disso, propõe a redução do tempo de progressão de 18 para 12 meses, com aceleração a cada cinco anos, permitindo que um servidor atinja o topo da carreira em 15 anos.

No entanto, os servidores técnico-administrativos defendem que o reajuste salarial seja iniciado ainda este ano, argumentando que a proposta atual não atende às necessidades imediatas da categoria. A greve foi deflagrada em 14 de março e se mantém devido à insatisfação com as condições apresentadas.

Situação na UFRN

A paralisação não se restringe aos técnicos-administrativos; os docentes da UFRN também estão em greve desde 3 de abril, resultando na suspensão das aulas. O movimento grevista é organizado pelo Sindicato Estadual dos Trabalhadores em Educação do Ensino Superior do Rio Grande do Norte (Sintest).

Próximos Passos

Uma nova assembleia está marcada para a próxima quarta-feira (19), às 9h, no auditório da Reitoria da UFRN, onde serão discutidos os próximos passos do movimento. A continuidade da greve dependerá das deliberações dos servidores técnico-administrativos e da resposta do governo às suas reivindicações.

Impacto da Greve

A greve tem gerado um impacto significativo no funcionamento da UFRN, afetando milhares de estudantes e a comunidade acadêmica. A mobilização visa pressionar o governo federal a atender às demandas da categoria, que considera essencial um reajuste salarial imediato e melhores condições de progressão na carreira.

Com a continuidade da greve, a expectativa é que novas negociações possam ocorrer, buscando uma solução que atenda tanto aos interesses dos servidores quanto aos da administração pública e da sociedade.






O Potengi

Portal de notícias e conteúdos do Rio Grande do Norte


Greve dos servidores da UFRN continua após rejeição de proposta do MEC



Imagem Grevistas Foto: Danielle Castro / Sintest-RN


A proposta do MEC prevê a manutenção da política de não conceder aumento em 2024, com reajustes salariais de 9% previstos para janeiro de 2025 e 5% para abril de 2026. Além disso, propõe a redução do tempo de progressão de 18 para 12 meses, com aceleração a cada cinco anos, permitindo que um servidor atinja o topo da carreira em 15 anos.

No entanto, os servidores técnico-administrativos defendem que o reajuste salarial seja iniciado ainda este ano, argumentando que a proposta atual não atende às necessidades imediatas da categoria. A greve foi deflagrada em 14 de março e se mantém devido à insatisfação com as condições apresentadas.

Situação na UFRN

A paralisação não se restringe aos técnicos-administrativos; os docentes da UFRN também estão em greve desde 3 de abril, resultando na suspensão das aulas. O movimento grevista é organizado pelo Sindicato Estadual dos Trabalhadores em Educação do Ensino Superior do Rio Grande do Norte (Sintest).

Próximos Passos

Uma nova assembleia está marcada para a próxima quarta-feira (19), às 9h, no auditório da Reitoria da UFRN, onde serão discutidos os próximos passos do movimento. A continuidade da greve dependerá das deliberações dos servidores técnico-administrativos e da resposta do governo às suas reivindicações.

Impacto da Greve

A greve tem gerado um impacto significativo no funcionamento da UFRN, afetando milhares de estudantes e a comunidade acadêmica. A mobilização visa pressionar o governo federal a atender às demandas da categoria, que considera essencial um reajuste salarial imediato e melhores condições de progressão na carreira.

Com a continuidade da greve, a expectativa é que novas negociações possam ocorrer, buscando uma solução que atenda tanto aos interesses dos servidores quanto aos da administração pública e da sociedade.


0 0 Avaliações
Article Rating
Subscribe
Notify of
0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver Todos