Cilada: quem sacou o FGTS teve seguro desemprego bloqueado



0 0 Avaliações
Article Rating
Subscribe
Notify of
0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver Todos

De acordo com o Uol, o ministério tem recebido relatos de trabalhadores que fizeram o saque imediato (de até R$ 998 por conta ativa e inativa) do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) após terem sido dispensados e ficaram com a liberação do seguro-desemprego bloqueado.

Normalmente, o benefício é liberado automaticamente quando o registro mais recente nas bases de dados do FGTS indica demissão sem justa causa. Demissão por justa causa ou fim de contrato temporário não dão direito ao seguro.

Segundo o governo, o problema ocorreu no caso de trabalhadores cuja última movimentação na base de dados estava relacionada ao saque imediato. O sistema entendeu o registro como indicativo de que o empregado não poderia acessar o seguro-desemprego. Nesses casos, os trabalhadores seguiam a orientação do governo de entrar com um recurso administrativo e esperar o desbloqueio do benefício, resultando em atraso no pagamento.

O processo pode ser acompanhado pelo site www.gov.br ou pelo aplicativo da Carteira de Trabalho Digital. O Ministério da Economia divulgou que, mesmo quem não entrou com recurso, mas tiver o saque imediato registrado após a demissão sem justa causa, terá o benefício desbloqueado automaticamente.

Redação com UOL


Compartilhe:

Cilada: quem sacou o FGTS teve seguro desemprego bloqueado




De acordo com o Uol, o ministério tem recebido relatos de trabalhadores que fizeram o saque imediato (de até R$ 998 por conta ativa e inativa) do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) após terem sido dispensados e ficaram com a liberação do seguro-desemprego bloqueado.

Normalmente, o benefício é liberado automaticamente quando o registro mais recente nas bases de dados do FGTS indica demissão sem justa causa. Demissão por justa causa ou fim de contrato temporário não dão direito ao seguro.

Segundo o governo, o problema ocorreu no caso de trabalhadores cuja última movimentação na base de dados estava relacionada ao saque imediato. O sistema entendeu o registro como indicativo de que o empregado não poderia acessar o seguro-desemprego. Nesses casos, os trabalhadores seguiam a orientação do governo de entrar com um recurso administrativo e esperar o desbloqueio do benefício, resultando em atraso no pagamento.

O processo pode ser acompanhado pelo site www.gov.br ou pelo aplicativo da Carteira de Trabalho Digital. O Ministério da Economia divulgou que, mesmo quem não entrou com recurso, mas tiver o saque imediato registrado após a demissão sem justa causa, terá o benefício desbloqueado automaticamente.

Redação com UOL


Compartilhe:

0 0 Avaliações
Article Rating
Subscribe
Notify of
0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver Todos