Audiência Pública homenageou “Marielle Franco; Severo Trans Não Binária e Ana Dávilla” através de proposições encaminhadas a Câmara de Municipal de Vereadores de Santa Cruz/RN buscando nomear ruas da cidade.



0 0 Avaliações
Article Rating
Subscribe
Notify of
0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver Todos

Nesta última sexta feira dia 29 de Março de 2019 a Atreva-se realizou a Audiência Pública Em Cada Mulher Guerreira Vive o Espirito de Luta de Uma Marielle.

A audiência foi realizada na Câmara Municipal de Vereadores de Santa Cruz/RN iniciando ás 09:00 horas da manhã, contando com a participação de diversos estudantes da rede estadual de ensino, além da participação da sociedade civil organizada. 

A audiência foi proposta pela Atreva-se através da Presidenta Lara Bianck, e presidida pelos Vereadores Tarcísio das Horteiras e João Victor e contou com a presença das palestrantes Núbia Lima – Professora de Fisioterapia da FACISA/UFRN Campus de Santa Cruz/RN, militante feminista e Presidente do Coletivo Dandara Pensando Gênero ; Milena Silva – Psicóloga do CREAS – Santa Cruz/RN; Lara Bianck – Militante Trans Feminista Representante do Juntos – Setorial LGBT- Psol/RN e Presidente da Atreva-se , que conduziram as explanações sobre as temáticas relacionadas as conscientizações, politicas públicas e violações de direito contra as mulheres, que levou o nome de “Marielle Franco” como símbolo de luta e homenagem a todas mulheres empolderadas que lutam diariamente conscientizando diversas mulheres, homens e sociedade em geral sobre a importância das politicas públicas pela conquista de direitos, espaços na sociedade e combate a violência contra as mulheres, que devido a forma de levar as conscientizações necessárias e enfrentamento as práticas de violações de direito, assim como também as práticas corrupções cometidas por muitos políticos que acabam sentindo-se incomodado com toda essa luta por justiça e transformação social aos segmentos vulneráveis, e que promovem o ódio e violência em forma de atentado aos e as militantes de direitos humanos como fizeram com a Marielle Franco.

Os encaminhamentos que propostos através da realização da audiência pública foi a homenagens às pessoas que foram covardemente assassinadas e contribuíram muito com desenvolvimento do papel social no município e no Brasil, através das suas lutas, reconhecendo a trajetória que ambas carregaram nomeando as ruas do município de Santa Cruz/RN como forma de homenagem a: 
Severo Trans Não Binaria”, cuja sua identidade de gênero era trans não binaria, nascida no dia 08 de Abril de 1987 moradora do bairro de origem periférica – chamado Paraíso. A mesma contribuiu para diversos grupos culturais, juninos e carnavalescos no qual participou e dedicou – se durante muito tempo de sua vida que com sua simpatia e auto astral sempre despertava admiração das pessoas com a sua personalidade, e que infelizmente foi injustamente assassinada a pauladas de forma covarde e cruel vitima do ódio e preconceito da LGBTIfobia no dia 19 de Março de 2006, no bairro do Paraíso onde residia com a sua família. Seu nome foi escolhido como símbolo da luta cultural e dignidade da pessoa humana por direitos e pela transformação da vida das pessoas trans e travestis.
Marielle Francisco da Silva, conhecida como Marielle Franco (Rio de Janeiro, 27 de julho de 1979 – Rio de Janeiro, 14 de março de 2018), foi uma socióloga, política, feminista e defensora dos direitos humanos brasileira. Filiada ao Partido Socialismo e Liberdade (PSOL), elegeu-se vereadora do Rio de Janeiro para a Legislatura 2017-2020, durante a eleição municipal de 2016, com a quinta maior votação. Crítica da intervenção federal no Rio de Janeiro e da Polícia Militar denunciava constantemente abusos de autoridade por parte de policiais contra moradores de comunidades carentes. Em 14 de março de 2018, foi assassinada a tiros junto de seu motorista, Anderson Pedro Mathias Gomes, no Estácio, Região Central do Rio de Janeiro.
Ana D’ávilla Gomes de Oliveira ou Ana D’ávilla, como era conhecida, exercia a profissão de técnica de enfermagem do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (SAMU) de Santa Cruz/RN. Nascida em 11 de Outubro de 1968 Ana D’Ávila, contribuiu muito através da sua profissão ajudando a salvar vidas de várias pessoas exercendo sempre sua função com muito amor e dedicação. 

Ana D’ávilla, foi um grande exemplo de admiração pela sua personalidade, e que infelizmente foi injustamente assassinada de forma covarde e cruel vitima da violência doméstica em decorrência do machismo praticada pelo seu companheiro que não aceitava o fim o relacionamento assassinando a Ana D’ávilla a facadas no dia 10 de Agosto de 2016, na rua: Nossa Senhora dos Remédios, no conjunto Cônego Monte de Santa Cruz/RN onde residia com a sua família.

Ambas as proposições de requerimentos das ruas do município de Santa Cruz/RN a serem nomeadas com os nomes mencionados em homenagens às vitimas de violência e atentados devem ser realizados um ato de solenidade para cada uma das homenageadas.
Além outras propostas de encaminhamentos e projetos de leis que voltadas as mulheres cis e trans que sofreram machismo e negativa de direito por parte da gestão passada do Ex- Presidente da Câmara Municipal de Santa Cruz/RN que foi cassado o Sr. Monik Melo, além de praticar LGBTIfobia e Machismo institucional por negativa de direito, dificultou desenvolvimento das politicas públicas voltas as mulheres e LGBTQIs por parte do legislativo municipal quando se contrapôs e engavetou o projeto de lei que visava instituir o “Dia Municipal da Visibilidade Trans” no Calendário do Município a ser comemorado anualmente no dia 29 de janeiro, assim como também criou um projeto de lei mal fundado e completamente sem noção e conhecimento intitulado de “Ideologia de Gênero” que visava combater as discussões de gênero nas escolas do município de Santa Cruz/RN, onde o mesmo fez questão de distorcer tudo com objetivo politiqueiro de fazer campanha para o candidato a Presidente do Brasil eleito – Jair Bolsonaro e como forma de dividir a sociedade que tinha conhecimento do assunto, e nem tiveram a oportunidade de conhecer e esclarecer de que realmente se tratava a tal lei proposta pelo Ex- Vereador e Presidente da Câmara – Monik Melo, pois nem se quer um diálogo para debate de esclarecimento da população de interior da cidade de Santa Cruz/RN , e com esta atitude reforçando o preconceito, discriminação e violência contra Mulheres e LGBTQIs quando não se discute medidas de prevenções as práticas de violações de direito através da educação. 
Onde a Audiência Pública Em Cada Mulher Guerreira Vive o Espirito de Luta de Uma Marielle, além de trazer a tona todas essas situações trazem novamente encaminhamentos que visam avançar no desenvolvimento das politicas públicas das mulheres e LGBTQI no município através de uma nova gestão a frente do legislativo pelo atual Presidente da Câmara Municipal de Vereadores de Santa Cruz/RN – O Excelentíssimo Sr. Fábio Dias.
Encaminhando propostas e deliberações da Audiência Pública para a Câmara de Vereadores e Prefeitura Municipal de Santa Cruz/RN como: 
1) Criação da SALA LILÁS, na Delegacia de Flagrantes para o atendimento às vítimas de violência doméstica e familiar 24 horas;
2) Criação de uma Delegacia da Mulher – DEAM;
3) Criação de um Centro de Referência da Mulher no Município – CRM e, casa de passagem contando com atendimentos (social, psicológico e jurídico) e encaminhamentos da mulher; 
4) Casa Abrigo; 
5) Criação de uma Coordenadoria da Mulher e Minorias
6 Criação de uma Coordenadoria de Diversidade Sexual, Gênero e Direitos Humanos
7 Instituir o Dia Municipal da Visibilidade Trans no Calendário do Município a ser comemorado anualmente no dia 29 de janeiro. 

Desta forma se deu a realização da Audiência Pública Em Cada Mulher Guerreira Vive o Espirito de Luta de Uma Marielle.

Atreva-se




























Compartilhe:

Audiência Pública homenageou “Marielle Franco; Severo Trans Não Binária e Ana Dávilla” através de proposições encaminhadas a Câmara de Municipal de Vereadores de Santa Cruz/RN buscando nomear ruas da cidade.



Nesta última sexta feira dia 29 de Março de 2019 a Atreva-se realizou a Audiência Pública Em Cada Mulher Guerreira Vive o Espirito de Luta de Uma Marielle.

A audiência foi realizada na Câmara Municipal de Vereadores de Santa Cruz/RN iniciando ás 09:00 horas da manhã, contando com a participação de diversos estudantes da rede estadual de ensino, além da participação da sociedade civil organizada. 

A audiência foi proposta pela Atreva-se através da Presidenta Lara Bianck, e presidida pelos Vereadores Tarcísio das Horteiras e João Victor e contou com a presença das palestrantes Núbia Lima – Professora de Fisioterapia da FACISA/UFRN Campus de Santa Cruz/RN, militante feminista e Presidente do Coletivo Dandara Pensando Gênero ; Milena Silva – Psicóloga do CREAS – Santa Cruz/RN; Lara Bianck – Militante Trans Feminista Representante do Juntos – Setorial LGBT- Psol/RN e Presidente da Atreva-se , que conduziram as explanações sobre as temáticas relacionadas as conscientizações, politicas públicas e violações de direito contra as mulheres, que levou o nome de “Marielle Franco” como símbolo de luta e homenagem a todas mulheres empolderadas que lutam diariamente conscientizando diversas mulheres, homens e sociedade em geral sobre a importância das politicas públicas pela conquista de direitos, espaços na sociedade e combate a violência contra as mulheres, que devido a forma de levar as conscientizações necessárias e enfrentamento as práticas de violações de direito, assim como também as práticas corrupções cometidas por muitos políticos que acabam sentindo-se incomodado com toda essa luta por justiça e transformação social aos segmentos vulneráveis, e que promovem o ódio e violência em forma de atentado aos e as militantes de direitos humanos como fizeram com a Marielle Franco.

Os encaminhamentos que propostos através da realização da audiência pública foi a homenagens às pessoas que foram covardemente assassinadas e contribuíram muito com desenvolvimento do papel social no município e no Brasil, através das suas lutas, reconhecendo a trajetória que ambas carregaram nomeando as ruas do município de Santa Cruz/RN como forma de homenagem a: 
Severo Trans Não Binaria”, cuja sua identidade de gênero era trans não binaria, nascida no dia 08 de Abril de 1987 moradora do bairro de origem periférica – chamado Paraíso. A mesma contribuiu para diversos grupos culturais, juninos e carnavalescos no qual participou e dedicou – se durante muito tempo de sua vida que com sua simpatia e auto astral sempre despertava admiração das pessoas com a sua personalidade, e que infelizmente foi injustamente assassinada a pauladas de forma covarde e cruel vitima do ódio e preconceito da LGBTIfobia no dia 19 de Março de 2006, no bairro do Paraíso onde residia com a sua família. Seu nome foi escolhido como símbolo da luta cultural e dignidade da pessoa humana por direitos e pela transformação da vida das pessoas trans e travestis.
Marielle Francisco da Silva, conhecida como Marielle Franco (Rio de Janeiro, 27 de julho de 1979 – Rio de Janeiro, 14 de março de 2018), foi uma socióloga, política, feminista e defensora dos direitos humanos brasileira. Filiada ao Partido Socialismo e Liberdade (PSOL), elegeu-se vereadora do Rio de Janeiro para a Legislatura 2017-2020, durante a eleição municipal de 2016, com a quinta maior votação. Crítica da intervenção federal no Rio de Janeiro e da Polícia Militar denunciava constantemente abusos de autoridade por parte de policiais contra moradores de comunidades carentes. Em 14 de março de 2018, foi assassinada a tiros junto de seu motorista, Anderson Pedro Mathias Gomes, no Estácio, Região Central do Rio de Janeiro.
Ana D’ávilla Gomes de Oliveira ou Ana D’ávilla, como era conhecida, exercia a profissão de técnica de enfermagem do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (SAMU) de Santa Cruz/RN. Nascida em 11 de Outubro de 1968 Ana D’Ávila, contribuiu muito através da sua profissão ajudando a salvar vidas de várias pessoas exercendo sempre sua função com muito amor e dedicação. 

Ana D’ávilla, foi um grande exemplo de admiração pela sua personalidade, e que infelizmente foi injustamente assassinada de forma covarde e cruel vitima da violência doméstica em decorrência do machismo praticada pelo seu companheiro que não aceitava o fim o relacionamento assassinando a Ana D’ávilla a facadas no dia 10 de Agosto de 2016, na rua: Nossa Senhora dos Remédios, no conjunto Cônego Monte de Santa Cruz/RN onde residia com a sua família.

Ambas as proposições de requerimentos das ruas do município de Santa Cruz/RN a serem nomeadas com os nomes mencionados em homenagens às vitimas de violência e atentados devem ser realizados um ato de solenidade para cada uma das homenageadas.
Além outras propostas de encaminhamentos e projetos de leis que voltadas as mulheres cis e trans que sofreram machismo e negativa de direito por parte da gestão passada do Ex- Presidente da Câmara Municipal de Santa Cruz/RN que foi cassado o Sr. Monik Melo, além de praticar LGBTIfobia e Machismo institucional por negativa de direito, dificultou desenvolvimento das politicas públicas voltas as mulheres e LGBTQIs por parte do legislativo municipal quando se contrapôs e engavetou o projeto de lei que visava instituir o “Dia Municipal da Visibilidade Trans” no Calendário do Município a ser comemorado anualmente no dia 29 de janeiro, assim como também criou um projeto de lei mal fundado e completamente sem noção e conhecimento intitulado de “Ideologia de Gênero” que visava combater as discussões de gênero nas escolas do município de Santa Cruz/RN, onde o mesmo fez questão de distorcer tudo com objetivo politiqueiro de fazer campanha para o candidato a Presidente do Brasil eleito – Jair Bolsonaro e como forma de dividir a sociedade que tinha conhecimento do assunto, e nem tiveram a oportunidade de conhecer e esclarecer de que realmente se tratava a tal lei proposta pelo Ex- Vereador e Presidente da Câmara – Monik Melo, pois nem se quer um diálogo para debate de esclarecimento da população de interior da cidade de Santa Cruz/RN , e com esta atitude reforçando o preconceito, discriminação e violência contra Mulheres e LGBTQIs quando não se discute medidas de prevenções as práticas de violações de direito através da educação. 
Onde a Audiência Pública Em Cada Mulher Guerreira Vive o Espirito de Luta de Uma Marielle, além de trazer a tona todas essas situações trazem novamente encaminhamentos que visam avançar no desenvolvimento das politicas públicas das mulheres e LGBTQI no município através de uma nova gestão a frente do legislativo pelo atual Presidente da Câmara Municipal de Vereadores de Santa Cruz/RN – O Excelentíssimo Sr. Fábio Dias.
Encaminhando propostas e deliberações da Audiência Pública para a Câmara de Vereadores e Prefeitura Municipal de Santa Cruz/RN como: 
1) Criação da SALA LILÁS, na Delegacia de Flagrantes para o atendimento às vítimas de violência doméstica e familiar 24 horas;
2) Criação de uma Delegacia da Mulher – DEAM;
3) Criação de um Centro de Referência da Mulher no Município – CRM e, casa de passagem contando com atendimentos (social, psicológico e jurídico) e encaminhamentos da mulher; 
4) Casa Abrigo; 
5) Criação de uma Coordenadoria da Mulher e Minorias
6 Criação de uma Coordenadoria de Diversidade Sexual, Gênero e Direitos Humanos
7 Instituir o Dia Municipal da Visibilidade Trans no Calendário do Município a ser comemorado anualmente no dia 29 de janeiro. 

Desta forma se deu a realização da Audiência Pública Em Cada Mulher Guerreira Vive o Espirito de Luta de Uma Marielle.

Atreva-se




























Compartilhe:

0 0 Avaliações
Article Rating
Subscribe
Notify of
0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver Todos